Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #226: Uma vez - Morris Gleitzman

Título: Uma vez
Autor: Morris Gleitzman
Título original: Once
Tradução: Marília Garcia
Editora: Paz e Terra
Edição: 1
ISBN: 9788577533640
Gênero: Romance- Ficção Inglesa
Ano: 2017
Páginas: 160

Adquiria seu exemplar Aqui!

Avaliação:




RESENHA


Felix Salinger é um garoto de 10 anos, que há três vive em um orfanato católico na Polônia, durante a Segunda Guerra Mundial. Ele adora ler e inventar histórias, e aguarda dois segredos: ele é judeu e seus pais estão vivos.
Desde o dia que foi deixado no orfanato, Felix aguarda ansiosamente o dia em que seus pais voltem para pegá-lo. Um dia, na fila do jantar ele encontra uma cenoura inteira na sua sopa, algo muito raro de acontecer. O que ele entende que só pode ser um sinal que seus pais estão indo buscá-lo.
“Uma vez passei a noite inteira acordado esperando minha mãe meu pai chegarem. Eles não chegaram. Ainda não” Pág.15 
Quando seus pais não aparecem, e ele vê soldados chegarem no orfanato e queimar todos os livros judaicos da biblioteca em uma enorme fogueira, o garoto entende que a livraria da família corre perigo. Feliz foge do orfanato para tentar encontrar seus pais, e salvar a livraria, pois os nazistas odeiam livros judaicos. 
Dessa forma começa a jornada de Felix por uma Polônia tomada por soldados nazistas, mas também pessoas dispostas a ajudar. . Esse é um livro que nos mostra o horror do Holocausto sob o olhar ingênuo e doce de uma criança.  Felix passa por diversas situações onde descobre os horrores da guerra, a intolerância, racismo, perda e luto. Mas é nesse cenário que ele encontra também, amizades e lealdade. 
“Olha, de repente o rio ficou vermelho. Que estranho, pois o sol ainda está amarelo. A água está tão vermelha que quase parece sangue. Mesmo com todos aqueles tiros, os caçadores não poderiam ter matado tantos coelhos. Será que poderiam? Não, deve ser um efeito de luz.” Pág. 43

Até mais,
Elidiane Galdino



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!