Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #193: O Filho da Feiticeira - Kelly Barnhill

Título: O Filho da Feiticeira
Autor: Kelly Barnhill
Editora: Galera Júnior
Edição: 1
ISBN: 9788501105219
Gênero: Ficção jovem adulto - Fantasia
Ano: 2016
Páginas: 308

Avaliação: 




RESENHA


Ned sempre recebeu o apelido de "O garoto errado". Isso porque quando ele era mais novo resolveu, junto com o irmão gêmeo, que já havia chegado a hora de construir um barco e desbravar as águas desconhecidas. Porém, o barco não foi resistente o suficiente, e o irmão de Ned, Tam, acabou se afogando.
A mãe dos garotos, Irmã Feiticeira (a guardiã da magia), conseguiu salvar a vida de Ned, transferido e costurando o último fio de alma que ainda restava de Tam para o corpo do filho que tinha chances de sobreviver. O povo da aldeia , passou a julgar que Ned não série o garoto certo para se salvar. Os dias passaram e tudo se seguiu tranquilamente.

Mas a calmaria é tomada de assalto pelo Rei dos Bandidos, um tirano que deseja roubar a mágica e fazer dela uso maldoso. Ned será o único que poderá, de algum jeito, evitar que os planos do Rei se tornem realidade e que o reino seja atacado pela maldade. E ele contará com a a ajuda de ninguém menos que a filha do ladrão: Áine.
O Filho da Feiticeira é uma ficção juvenil de ótima qualidade, e escrito de forma que não subestima o leitor mirim que se aventurar por essas páginas. 
A autora, Kelly Barnhill traz uma magia que tem vontade própria, que fala, sussurra e faz birra. O que foi uma tirada excelente. Os personagens são bem construídos e colocados nesse ambiente onde até as pedras falam. 

Minha ressalva é que o início é muito empolgante, porém, após determinado momento, o desenrolar vai se tornando cada vez mais lento e sem tanta ação. Isso acaba dispersando a atenção de quem tá lendo.  Mas o final é daqueles que te deixa pensando no que virá depois. Mesmo tendo um enredo fechado, possivelmente pode haver uma sequência da autora.

Para os amantes de fantasia, O Filho da Feiticeira é uma leitura leve e despretensiosa.  O livro possui fonte de tamanho agradável e um mapa para situar o leitor. Vale a leitura.

Até logo,
Pedro Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!