Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
11

Resenha #152: A Cor Púrpura - Alice Walker

Lido em: Março de 2016
Título: A Cor Púpura
Autor: Alice Walker
Editora: José Olympio
Edição: 10
ISBN: 9788503010313
Gênero: Ficção norte americana
Ano: 2016
Páginas: 356


Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:


RESENHA


A Cor Purpura é um romance epistola publicado originalmente em 1982, pela autora Alice Walker. Em 1983 o livro foi consagrado com o prêmio pulitzer de literatura e em 1985 foi adaptado para o cinema nas mãos do diretor Steven Spielperg.


Na trama vamos nos deparar com o sul dos Estados Unido, por volta do inicio e meio do séc. XX. As cartas são escritas por Celie, uma negra pobre que sofre abusos do padrasto sob o mesmo teto em que vive sua mãe e irmã. Por conta desses abusos, ela engravida, mas em nenhum momento tem suas crianças no colo. Sua história só piora quando ela perde a mãe e é obrigada a casar com um viúvo rude e perverso que tem por intuito fazer com que Celie ajude na criação de seus filhos.  O que parecia um pesadelo muda quando ela conhece Shug Avery, uma cantora que leva uma vida mundana realizando shows em bares (comportamento tido como inaceitável). Será essa mulher que ajudará Celie a não mais esperar o chamado de Deus, e sim ser protagonista de sua história e correr atrás do tempo perdido, mesmo com as feridas sofridas.

Este é um livro com um ritmo de leitura rápido pela construção total em cartas, porém, a leitura se torna densa quando são abordados os temas mais pesados de forma forte, sem amenização alguma, e é já nas primeiras páginas do livro que a autora faz um alerta, como se dissesse “te prepara, que eu não estou para brincadeira” e depois desse primeiro contato é sofrimento seguido por mais sofrimento.

Os temas são estupro, violência domestica, racismo, desigualdade de gênero e a submissão da mulher perante o homem, fortes na época em questão.

Os personagens são apresentados na perspectiva da Celie, que nos narra com os seus traços de pouca alfabetização com uma escrita fortemente influenciada pela linguagem oral, por isso exige uma atenção maior para não confundir quando ela está narrando e coloca uma fala de outro personagem.


O foco principal do livro são nas mulheres, o que é bem nítido. Mulheres fortes, que querem muito mais do que cuidar da casa, fazer o que o marido pede e viver isoladas do mundo. Ao contrário, querem liberdade, sair, conhecer o mundo, ter independência e seu amor correspondido na mesma medida que se doam, sendo ele convertido em compreensão e aceitação da mulher com instinto livre e autônomo.

A religião é um assunto que não agrada a muitos, cada um tem seu modo de vê-la e segue (ou não) a que bem deseja. Alice Walker abordou esse assunto de uma forma que abriu meus olhos e me fez rever meus conceitos sobre Deus em uma das cartas que Celie escreve para a sua irmã, fazendo do livro um dos meus favoritos. Ela me fez enxergar o quão bobo estava sendo em julgar Deus com base no homem, sendo que são coisas distintas em sua plenitude. Nenhum homem é Deus.


Mais do que tudo, A Cor Purpura é um livro que grita “somos livres com sede de liberdade para ir e voltar”. Walker mostra seus personagens caindo, sofrendo e se erguendo,  dando uma verdadeira volta por cima e perdoando toda a maldade que um dia passou, ou se arrependendo do mal que um dia fez. Por isso o livro é mais do que recomendado a todos.

Até logo,
Pedro Silva

11 comentários:

  1. Oi, Pedro, como vai?
    Eu tentei ler The Color Purple, acho que ano passado, por duas vezes, mas achei tão, tão triste que não conseguia passar das primeiras páginas :/
    Gostei muito do teu post! Foi bem explicativo -e provavelmente, darei uma chance a ele e lerei por completo.
    Essa edição é linda!!! A que comecei a ler era um pocket book em inglês, da biblioteca da Universidade que estudo.
    Abraço!!!
    http://incriativos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. To fazendo um trabalho para faculdade com temas abordados nesse livro, focado nessa luta da mulher, porém nesse livro me pareceu aborda de uma forma bem verdadeira e real esse sofrimento, o que fez ainda mais me interessar pela leitura, mesmo percebendo que ter bastante sofrimento isso não fez com que eu perdesse o interesse, muito pelo contrario, por isso já vou incluir esse livro na minha lista desejados.

    ResponderExcluir
  3. Que livro incrível!!
    É impossível não chorar, não rir e não abraçar Celie!Que mulher forte e inspiradora!
    O li semana passada e fiquei extasiado com a história!!
    Amei o post, resenha muito bem elaborada(como sempre :) ) !!! ^^

    ResponderExcluir
  4. Oi Pedro,
    Estou com esse na lista e fico feliz que tenha gostado. Um fato que eu não sabia era que o livro se trata de um romance epistolar. Eu gosto muito de livros estruturados assim e gostei de todos que eu li até agora.
    Acho que vou curtir.
    Parabéns pelo texto!
    Abraços
    Ademar Júnior
    Blog Cooltural - http://wp.me/CGut

    ResponderExcluir
  5. Oi Pedro, tudo bem?
    O livro parecia ser bom antes de eu ler sua resenhas, mas quando li vi que ele era muito mais que isso. Eu não sei se teria um rendimento bom do livro por ser em carta, mas se tratando de temas tão "polêmicos" e que me atraem seria um esforço mais que digno. A Cor Púrpura com certeza entra pra minha lista de futuras leituras.

    ResponderExcluir
  6. Ja comecei a assisti ao filme, mas não terminei. Realmente aborda temas polêmicos, porém necessários, acho que é o ponto central do filme que o torna tão interessante. Importante a gente ler ou assisti, e é isso que vou fazer.

    ResponderExcluir
  7. O livro retrata a história de uma mulher que sofreu, alem de racismo, o machismo, a exclusão ...conferi o filme mas confesso que não gostei muito, o livro está na lista a algum tempo e espero conferir o mais rápido possível, certeza que ficarei bastante nervosa com os abusadores, gosto de livros feitos com cartas, assim a escrita fica bem mais fácil, achei bastante legal ela escrever cartas para Deus

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedro,
    Eu já tinha ouvida falar desse livro, mas nunca procurei a fundo sobre o que se trata e a verdade é que eu simplesmente fiquei muito curioso para poder lê-lo depois da sua resenha. O seu gosto literário, meio que me influenciou de umas semana para cá, claro vou continuar lendo os best-sellers que eu tanto gosto, mas livros com essa temática e que acima de tudo trazem reflexões fortes são de muito importância para mim. Acho que são livros como este que aborda assuntos tão pesados e nos mostra a realidade bruta, que nos faz crescer como pessoa e muitas vezes mudar as formas de enxergar o mundo.
    Abraços, Carlos.

    PS: Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto de clássicos, amo a leitura rebuscada que temos quando lemos eles, me parece que nesse é diferente, e eu amaria lê-lo e ver como é, o fato do livro ter capítulos inteiros como cartas também me interessou, além do tema do preconceito e dos valores daquela época serem diferentes do nosso atuais.

    ResponderExcluir
  10. Olá Pedro tudo bem?
    A história desse livro me chamou muita atenção, confesso que não conhecia muito além do título, maa a história me pareceu ser bem reflexiva e forte. São esses livros que nos fazem pensar bastante e mudar nossos conceito e a forma de ver o mundo, é um livro que eu gostaria muito de poder ler. Aliás seu gosto literário tem me influenciado muito ultimamente.

    Abraços, Carlos.

    ResponderExcluir
  11. Confesso que não gosto muito de livros que abordam tantos temas pesados como esse, são poucos os que li até hoje, mas acho que alguns livros precisam e merecem ser lidos, e é esse é o meu caso com A cor purpura. Gosto muito do fato se ele não só evidenciar um aspecto dos abusos que as mulheres sofriam, mas vários, como o preconceito, o estupro e etc.
    E eu já li um livro que é todo narrado dessa mesma forma, em cartas, e gostei bastante, então pelo menos o tipo de narrativa eu sei que eu vou gostar. E é claro que depois eu vou conferir a adaptação.
    Eu gostei muito da resenha e fiquei ainda mais animada para começar essa leitura.
    Ah, essa edição é linda!
    Beijo!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!