Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #132: À Procura de Audrey - Sophie Kinsella

TítuloÀ Procura de Audrey
AutoraSophie Kinsella
Gênero: Jovem Adulto
Editora: Galera Record
ISBN9788501104632
Páginas: 336
Ano: 2015
Adicione

Avaliação:




RESENHA



Aos 14 anos Audrey teve sua vida interrompida pelo bullying que sofreu na escola, fazendo com que ela adquirisse depressão e transtorno de ansiedade. Desde o trauma Audrey usa óculos escuros para esconder-se do mundo além de não sair de casa ao menos que seja para ir a psicóloga, Dra. Sarah.

Audrey começa a viver quando Linus, um dos amigos do seu irmão Frank, vem a sua casa pra jogar no computador, que viria a se tornar um treino, já que Frank quer competir em um torneio. Mas como Audrey tem transtorno de ansiedade, ela não consegue agir normalmente perto dele, fazendo com que se esconda. Porém ele consegue se comunicar com Audrey através de bilhetes, que é uma forma segura para a menina,  depois de um tempo ele se tornam amigos, por mais que nunca tenham se falado pessoalmente.

Mesmo com pouco tempo de amizade Audrey consegue se abrir com Linus, como nunca conseguiu se abrir com seus pais, ele realmente a entende sem se esforçar , o que faz com que ganhe a confiança de Audrey. Linus è o menino que todas as meninas queriam como namorado, ou pelo menos eu, além de ser compreensível, ele è fofo.

Quanto mais Audrey se abre com Linus e com a Dra. Sarah, ela vai melhorando e a gente vai percebendo que mesmo que tenhamos poucas pessoas na nossa vida, estas são as que vão ficar por muito tempo nos apoiando, nos melhorando. E Linus é uma dessas pessoas para Audrey, porque ele mostra que á luz na escuridão e isso se torna mais um incentivo para que Audrey melhore. 

Mas Linus não é o único que está pela Audrey, a família toda está, por mais que eles não batam bem da cabeça. A mãe é viciada no Daily Mail, é histérica e paranóica mas no fundo ela só quer ver o bem dos seus filhos.  O irmão, Frank, é mais um típico adolescente viciado em computador, ou mais específico, em jogos como LOL (não é uma risada). E a vida da família começa a complicar quando a mãe ler um artigo chamado "Os oito sinais que seu filho está viciado em jogo de computador".

Com diálogos leves e engraçados, vemos a tragetoria de Audrey, as brigas da mãe com Frank, o pai que é viciado em trabalho pra poder dar uma boa a vida a família até o irmão mais novo, Félix, é uma figura. Mas isso que é uma família, nem todos se dão bem mas no fundo todos querem ver o melhor de cada um.

Terminei esse livro com uma sensação de nostalgia, Sophie soube retratar um drama de uma forma leve, sem cenas carregadas, uma forma simples de ver o mundo e como podemos sair de cada situação por mais que não seja a melhor escolha, aprendemos com ela. Super recomendo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!