Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #119: Para Onde Vai o Amor? - Fabrício Carpinejar


Lido em: Agosto de 2015
Título: Para onde vai o amor?
Autor: Fabrício Carpinejar
Editora: Bertrand Brasil

Gênero: Crônicas brasileiras
Ano: 2015
Páginas: 176


Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:




Resenha



No mais novo livro do autor gaúcho Fabrício Carpinejar, temos reunidos crônicas sobre o amor, fossa, casamento, saudade, e a diversidade de emoções e sentimentos que envolvem os relacionamentos.
“O amor não é uma propriedade de quem sente, é uma transferência total para quem é amado.”
Os textos, em sua maioria falam sobre desilusões amorosas e separações, por isso “Crônicas de fossa”, mas não é necessário estar sofrendo de amor para se identificar com o livro. Em muitas passagens o autor fala sobre reconciliações, os pequenos detalhes do amor e da pessoa amada, a beleza do amor.
“Até que vi você em minha frente. Até que abracei você. Até que seu perfume voltou a se misturar à minha barba. Até que sua boca se aproximou do meu pescoço, macia e fria, como a gola de uma camisa recém estreando.”


Embora o narrador-personagem das crônicas seja sempre o mesmo, o livro não é repetitivo ou enfadonho, os textos não possuem mais que uma ou duas páginas, e a leitura é rápida. Podendo ser lido em uma sentada só. Mas sugiro que o leia aos poucos, sem presa. Degustando cada palavra, e sentimento do autor.
“Mas não adianta procurar o beijo que você ama em outra mulher. O gosto do beijo não é o gosto da boca. O gosto do beijo é o gosto do amor."

Gostei bastante do livro, é leve e simples. E não importa qual a suas historias de amor, você com certeza vai se identificar com alguma das crônicas. Assim como algumas me fizeram suspirar, ou pareciam escritas para mim.
E por fim, fica a pergunta: “Para onde vai o amor depois do amor? Me fale, por favor. As lágrimas, quando secam, permanecem eternamente na pele? Não sei. Mas meu rosto está cada vez mais salgado.”






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!