Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #301: Bartleby, o Escritvão - Herman Melville

Título: Bartleby, o Escritvão
Autor: Herman Melville
Tradutor: A. B. Pinheiro de Lemos
Editora: José Olympio
Edição
ISBN: 9788503013116
Gênero: Novela
Ano: 2017
Páginas: 96

Adquira seu exemplar aqui!
Adicione esse livro ao Skoob 

Avaliação:  




RESENHA



"Bartleby, o Escritvão", é uma novela escrita pelo autor Herman Melville e publicada originalmente em duas partes na revista americana Putnam's Magazine no ano de 1853 e ganha uma nova edição brasileira pelo selo José Olympio do Grupo editoral Record.
Na obra, somos apresentados a um advogado, sexagenário, dono de um escritório em Wall Street, que tem uma vida tranquila. Ele tem dois amanuenses excêntricos a seu serviço (Turkey e Nippers) e um aprendiz chamado Ginger Nut. Porém, ele resolve contratar um novo escrevente, e é quando aparece Bartleby. Um jovem "polidamente delicado, lamentavelmente respeitavel, irremediavelmente desamoarado" (p. 27) que a principio faz o trabalho de maneira espantosa, do seu jeito silencioso e privado. No entanto, o rapaz logo se nega a realizar as atividades que o seu chefe lhe impõe, proferindo as palavras "Preferia não fazê-lo". O chefe tenta demiti-lo, mas essa demissão vai ficando para o amanhã. Então vamos acompanhando a inquietude e as analises do chefe em relação ao seu funcionário e a sua falta de empatia. 

"Bartleby, o Escrivão" é um texto curto, sem muitos cenários e conflitos. Por ser narrado em primeira pessoa, não sabemos muito o que se passa dentro do rapaz. A situação nos passa a mesma inquietude do advogado e principalmente em relação ao personagem Bartleby que aos poucos demonstra que está sendo tomando por sentimentos maus e se fechando em uma concha que não lhe permite fazer nada além de ficar em seu canto. Ele é uma cara solitário, que trabalha sozinho e antes de trabalhar no escritório, ele trabalhava com cartas, arquivo morto, correspondências carregando histórias que nunca chegaram a seus destinatários.
Às vezes, há coisas que a gente não quer de jeito algum fazer, mas nem sempre temos a coragem de negar uma prestação de serviço, e por conveniência acabamos fazendo. Seria bom poder dizer, nesses momentos, a mesma frase que o Bartleby. Talvez, esse sentimento de negação do personagem possa ter se dado pela sua grande atividade e dedicação no início do trabalho, o que foi saturando o escrivão por ser algo repetitivo e sem tanto sentido. 
É uma obra muito rápida de ser lida, mas para digerir e com significados do individuo e a vida social. Uma das melhores histórias curtas que já li e que consegue ao mesmo tempo ser profunda e divertida, mas de um jeito sombrio, porque a cada página vemos que estamos caindo em um abismo. A principio, fiquei curioso com o Bartleby, achei até que fosse um trapaceiro, só que fui me sentindo representado em sua solidão e sentindo a tristeza desse personagem. Mesmo não querendo realizar sua tarefa, ele consegue ser delicado, tem uma passividade que além de nos colocar em sua pele, nos transporta para o narrador que se pergunta o que está acontecendo. 

Realmente, é um livro para se ler e reler, pois nos deixa algo que é difícil de traduz, apesar de sentirmos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!