Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #323: Tudo Se Ilumina - Jonathan Safran Foer



Título: Tudo Se Ilumina
Autor: Jonathan Safran Foer
Tradutor: Paulo Reis, Sergio Moraes Rego
Editora: Rocco
Edição: 1
ISBN: 8532519296
Gênero: Romance Estrangeiro
Ano: 2005
Páginas: 365

Adquira seu exemplar aqui!

Avaliação:  




RESENHA



Logo de cara, na primeira página, percebemos que o primeiro livro de Jonathan Safran Foer, publicado em 2002 e traduzido para o português três anos depois pela editora Rocco, não é dos mais tradicionais e que há algo de diferente no uso da linguagem.
Agarrado à uma fotografia de uma mulher chama Augustine, Jonatahn, ou 'nosso héroi", chega a Ucrânia com a intenção de encontrá-la, pois a mesma teria salvado a vida de seu avô dos nazistas
durante a Segunda Guerra Mundial. Alex Perchov, garante ao pai que é fluente em inglês e por isso é enviado para servir de tradutor e guia turístico de Jonathan na companhia do avô de Alex, um ex-agricultor agora deprimente e uma cadela chama Sammy Daves Junior Junior (um nome bem divertido, convenhamos). Assim, uma viagem de carro começa em busca de uma cidadezinha ucraniana chamada Trachimbrod, onde Augustine teria feito o ato solidário.

A história de Trachimbrod é contada através da voz narrativa de Safram Foer de forma envolvente e bem frenética por meio de capítulos intercalados entre a narrativa de Alex, que é a que realmente nos conquista com seu linguajar afetado pelo uso de um dicionário de sinônimos, e as cartas dele analisando o romance que Safram Foer está escrevendo.
De fato, Tudo Se Ilumina não é um livro comum. Com estrutura diferenciada, esse enredo que mais parecem três colunas distintas acaba por ir ganhando aos poucos pontos de costura de modo a ligar as histórias em uma só. E é interessante a forma como o autor fez isso, dando-nos uma ideia de que em nenhum momento o livro foi escrito por ele. A todo instante nos parece possível ser um relato de viagem e que tradutor e estrangeiro se tornaram grandes amigos. O que começa com uma viagem empolgante e engraçada se desdobra em algo mais profundo e triste. De um lado, o passado familiar triste de Safram Foer e do outro Alex revelando seu lado real em contrapartida a pessoa que ele gostaria de ser.

Embora a parte de Alex seja a mais envolvente do que a história de Trachimbrod - por cansar o leitor com descrições que parecem insignificantes ao enredo em si - é de admirar a capacidade do autor em trazer uma história original e bem escrita onde muitos personagens ganham camadas de personalidade. Do divertido ele vai ao melancólico, e o resultado é um sentimento agridoce, semelhante ao que sentimos durante a leitura de Extremamente Alto & Incrivelmente Perto (segundo romance do autor), mas que não chega a ser melhor.
De forma geral Tudo Se Ilumina é um livro sobre o holocausto, a natureza da amizade, sobre ser estrangeiro, se sentir estrangeiro e sobre acertos de contas com o passado. Em alguns momentos com pensamentos filosóficos e passagens desconexas, mas que no geral impressiona com suas peculiaridades. Certamente, um livro recomendável e que mostra um Jonathan Safran Foer ainda em sua formação inicial como escritor.

Até logo,
Pedro Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!