Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #225: Tash e Tolstói - Kathryn Ormsbee

Título: Tash e Tolstói
Autor: Kathryn Ormsbee
Tradutor: Lígia Azevedo
Título original: Tash Hearts Tolstoy (2017)
Editora: Seguinte
Edição: 1
ISBN: 9788555340468
Gênero: Literatura estrangeira / Jovem adulto
Ano: 2017
Páginas: 376

Adquira seu exemplar aqui!

Avaliação: 




RESENHA


“Se há tantas cabeças quantas são as maneiras de pensar, há de haver tantos tipos de amor quantos são os corações.”  - Liev Tolstói, Anna Kariênina
Você sabe o que é ser uma pessoa assexual? Você conhece alguém assim? Será que você é um assexual e ainda não percebeu porque simplesmente não sabia que alguém pode ser assim? Basicamente, um assexual é uma pessoa que não gosta de sexo ou não sente atração sexual por ninguém. Em alguns casos o assexual pode se apaixonar, gostar e até amar alguém, mas não consegue olhar para essa pessoa com segundas intenções ou desejar essa pessoa sexualmente.
Assim é a nossa personagem principal, a Tash ou Natasha mesmo. Ela já namorou, ela tem vários ídolos, ela tem várias paixões, mas nunca conseguiu entender o porquê das pessoas serem tão fascinadas pelo ato sexual e pela necessidade de haver sexo em tudo, o que ela mesma chama de “pornografia generalizada”, para ela o sexo é uma coisa superestimada a qual ela nunca teve vontade de fazer.

Mesmo trazendo um tema tão polêmico e até um pouco desconhecido, esse não é o foco do livro. O enredo conta a história de Tash e da sua amiga Jack, duas fãs da obra de Liev Tolstói e que decidem começas uma websérie baseada em Anna Kariênina, Famílias Infelizes. As duas estão acostumadas com seus 400 seguidores e com a pouca repercussão da série, até que, um belo dia, elas são recomendas por uma youtuber famosa e seus vídeos viralizam na internet.
A vida das amigas muda ainda mais quando a série delas é indicada para receber o prêmio Tuba Dourada, o Oscar das webséries e a oportunidade perfeita para Tash conhecer pessoalmente Thom, um garoto que tem um vlog famosinho e que vem conversando com Tash há meses. Tash é apaixonada por Thom, mas como ela vai falar pra ele que, se começarem a namorar, nunca haverá sexo? Será que alguém é capaz de namorar com outra pessoa sabendo que o relacionamento deles nunca vai passar de beijos e abraços? Você seria capaz de amar alguém a esse ponto?

É cercada desses e de outros dilemas que o enredo se desenvolve de maneira simples e leve, trazendo mais do que apenas representatividade para os assexuais, tranzendo para muitos a resposta do “por quê eu sou assim?”. O livro mostra um importante passo que a literatura vem dando nos últimos anos, mostrando as diversas formas de amor e as várias maneiras de amar e mostrando que qualquer um pode ser feliz do seu jeito. 

Não tenho muito o que falar da diagramação, já que o livro enviado foi apenas uma prova antecipada, ou seja, um livro em formato econômico e que não corresponde ao que vai chegar nas livrarias muito em breve, mas, conhecendo a Editora, não poderemos esperar menos que uma edição caprichada e que proporcione uma leitura confortável.

Tash e Tolstói é um livro leve que fala de um assunto pouco conhecido, que fala sobre o poder do amor, da amizade e, principalmente, da compreensão.

Resenhado por:
Maria Clara D.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!