Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #251: O Filho de Machado de Assis - Luiz Vilela

Título: O Filho de Machado de Assis
Autor: Luiz Vilela
Editora: Record
Edição: 1
ISBN: 9788501078865
Gênero: Novela
Ano: 2016
Páginas: 128

Adquira seu exemplar aqui!
Adicione esse livro ao Skoob.

Avaliação: 





RESENHA


"O Filho de Machado de Assis" é uma novela (texto curto) do escritor mineiro Luiz Vilela. Na obra, temos Simão, um professor acadêmico e estudioso da obra do escritor Machado de Assis que diz ter feito uma descoberta que irá abalar tudo em volta do criador de Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas, como suas obra e fortuna crítica. 
Em uma manhã de Sábado, quando Telêmaco iria à praia com sua namorada, ele recebe a ligação do professor Simão informando que ele fez uma descoberta muito importante e que precisa compartilhar com o seu aluno e amigo. Então é aí que Mac parte para Santa Teresa afim de descobrir o que o professor tem a dizer. Machado de Assis teria sido pai, contrariando a última frase de um de seus romances mais celebrados?
"Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria." - Machado de Assis
Como dito, "O Filho de Machado Assis" é um texto curtíssimo e composto em sua maioria por falas, fazendo dele um grande diálogo entre professor e aluno e o motivador da conversa é a grande descoberta do professor.

Os personagens são simples, mas ao longo do texto, o professor é caracterizado como uma pessoa preconceituosa e cheia de ironia. Ele faz comentários desnecessários sobre assuntos considerados tabus e "modernos" como homossexualidade e racismo e Telêmaco insiste em corrigir o termos errados que o professor usa. No entanto, essa correção fica com um tom de deboche.

Luiz Vilela, que surpreendeu em seu livros de contos "O Fim de Tudo" (já resenhado aqui) traz em sua novela um sentimento de que faltou algo a ser explorado. O final foi um tanto decepcionante por levar a algo tão obvio. Porém, é de admitir que a última página foi uma excelente sacada, abrindo espaço para a grande discussão: devo avaliar um livro também pela vida do autor? O livro por si só já não é o suficiente? 
Há quem diga que a vida do autor não importa tanto na hora da leitura (embora saibamos que sua obra foi influenciada pela sua experiencia de vida naturalmente), mas até que ponto eu devo adentrar na vida do escritor para destrinchar a sua obra? Elena Ferrante, a autora que ninguém sabe da sua identidade, está aí para provar que sua obra fala por si só.

No mais, "O Filho de Machado de Assis" é um livro mediano, de leitura rápida e agradável. Mas se você quer conhecer a escrita do autor, melhor começar pelo premiado "O Fim de Tudo". 

Até logo,
Pedro Silva!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!