Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
1

Resenha #200: O Corpo Humano - Paolo Giordano

Título: O Corpo Humano
Autor:  Paolo Giordano
Editora: Companhia das Letras
Edição: 1
Tradução: Eduardo Brandão
ISBN: 9788535925920
Gênero: Romance Italiano
Ano: 2015
Páginas: 384
Adicione esse livro ao Skoob.

Avaliação: 






RESENHA


Paolo Giordano é um autor italiano nascido em Turim no ano de 1982 e é PhD em física. O seu primeiro livro A Solidão dos Números Primos (Rocco, 2009) foi o vencedor do Prêmio Strega, um dos mais prestigiosos da Itália.. Em 2010, Giordano viajou para o Afeganistão e acabou em uma base militar no deserto, um ano e meio depois saiu O Corpo Humano, o seu mais recente trabalho traduzido para o português no primeiro semestre de 2015.

Neste livro, vamos conhecer a vida de soldados italianos que viajam para uma "missão de paz" no Afeganistão, fazendo parte do pelotão comandado pelo sargento René. A maioria são inexperientes, soldados de primeira viagem, não sabendo para onde estão indo e nem o que esperar na Guerra do Afeganistão. Assim, terão que descobrir como agir no deserto, onde cada movimento errado pode explodir e levar o pelotão a inexistência.

Mas não se engane com esse contexto de guerra, pois apesar de ser o grande pano de fundo da trama, quem se destaca mesmo são os personagens e seus conflitos familiares, psicológicos e pessoais. E eles estão muito bem construídos e deixaram sua marca. Passamos com eles pela saudade de casa, experimentamos uma comida ruim e o sentimos o clima desabitual, até que nos vemos transportados e no Afeganistão com um soldado.
Nos deparamos com o drama do sargento René (que trabalha nas horas vagas como garoto de programa para mulheres solitárias) de manter ou não um bebê de uma de suas clientes, uma mulher mais velha. Temos o tenente Egitto que possui uma relação muito frágil com a sua irmã e seus pais, tornando uma zona minada onde qualquer passo em falso pode ser tão explosivo quanto em uma guerra. Torsu que sofre uma intoxicação alimentar e passa o tempo online tentando se conectar com sua namorada que ele nunca viu na vida e teme ser um homem. Zampieri, a única mulher. Cederna, um valentão que usa Mitrano como alvo de suas brincadeiras nojentas e idiotas. Ietri, 20 anos, é o mais novo, tem sede de conhecimento e sofre bullying de Cederna por ser virgem e Salvatore que é casado e possui um filho. Estes são alguns dos personagens que compõe O Corpo Humano e tudo eclode num terrível evento, quando eles precisam escoltar um comboio de caminhões através de uma campo de minas, tendo apenas uma questão de deslize para cair em uma emboscada.

Em mais um livro, o Paolo Giordano se mostra conhecedor nas reações humanas e nos traz personagens que não são heróis, não são perfeitos mas possuem sua individualidade e que estão perdidos em uma guerra. Eles precisam conviver com o outro, evitar o egoismo, saber perdoar e claro conhecer a si mesmo, pois vidas estão em suas mãos.
O livro é escrito em sua maioria em terceira pessoa e recebe uma voz em segunda pessoa com a mesma forma sutil em que ele escreve A Solidão dos Números Primos, e apesar de não nos trazer cenas de ação, há cenas descritas que formam imagens perturbadoras. Como já sabemos no inicio, alguns morrem e outros sobrevivem, a partir daí focamos nas consequências que uma perda causa numa família, ou até mesmo o seu retorno. Já imaginou receber um pedaço de um ente querido misturado ao de outras pessoas e você nem saber se esse pedaço que vai ser velado é de fato esse ente? É duro!

Não é um livro de final feliz, é um livro de final realista, concreto e duro, como a vida quase sempre é. 

Até logo,
Pedro Silva!

Um comentário:

  1. Ultimamente tenho me dado muito bem com finais "não tão felizes " , mas, não sei se estou preparado para um final tão realista e duro. Ótima resenha como sempre, parabéns!!!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!