Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
2

Resenha #201: Quando Finalmente Voltará a Ser Como Nunca Foi - Joachim Meyerhoff

Título: Quando Finalmente Voltará a Ser Como Nunca Foi
Autor:  Joachim Meyerhoff
Editora: Valentina
Edição: 1
Tradução: Karina Jannini
ISBN: 9788565859974
Gênero: Ficção Alemã
Ano: 2016
Páginas: 352
Adquira seu exemplar Aqui!
Adicione esse livro ao Skoob.

Avaliação:




RESENHA


Quando Finalmente Voltará a Ser Como Nunca Foi não é apenas um livro com título enorme e capa chamativa, na verdade trata-se de um romance de formação (Bildungsroman) onde acompanhamos o desenvolvimento de Joachim, o personagem principal. Ele é o caçula de três irmãos e vive no hospital psiquiátrico Hesterberg com sua mãe e pai (o qual é diretor do hospital) no extremo norte da Alemanha
Ao desenrolar vamos sendo apresentados as loucuras e peculiaridades de alguns dos mais de 1.500 pacientes que são tratados no local e seu envolvimento com eles. Além disso, como é o relacionamento da família em um todo. Um pai que é ágil na teoria, mas falha na prática [um exemplo é seu desejo de tomar outro rumo na vida após completar 40 anos, porém, bastam alguns anos para deixar essas metas de lado]. A mãe que detesta o frio da Alemanha e sente saudades da Itália, e  os dois irmãos de Joachim, os quais o perturba, mas que no fundo é só amor de irmão. Ah, não podemos esquecer da cadela que é uma personagem fundamental no enredo.

É de admirar como o autor consegue navegar do choro ao riso, enquanto enxugamos uma lágrima estamos rindo alto, e quando estamos rindo, começam a escorrer lágrimas de nossos olhos. Isso porque o livro tem momentos muito cômicos, principalmente por conta da inocência que o Joachim tem enquanto criança e adolescente. Portanto ele não tem uma noção do quão triste é a morte, e ao encontrar um corpo de um senhor morto no início do livro, sai comemorando o achado. 
"Nunca vou esquecer esse momento. Eu tinha inventado uma coisa que, de fato, era verdade. [...] Como um instrumento arqueológico, a mentira havia trazido à tona um detalhe oculto das profundezas da memoria. Para mim, foi um reconhecimento incrivelmente libertador: inventar significa recordar". - Pág. 21
A morte em si é vista de uma outra forma pelo autor, como se fosse uma oportunidade de recomeço para quem vive e uma busca para a felicidade, algo estranho, mas que tem sentido se vermos todas as lembranças e momentos lindos que tivemos come um ente querido.

As descrições dos pacientes da instituição é melancólica e causa uma certa invalidez de nossa parte por não termos a oportunidade de fazer nada para mudar a condição da qual receberam desde seu nascimento. São transtornos mentais variados. Mas o relato mais chocante dentre todos é o de uma jovem que não sente mais sentido na vida e tentou suicídio várias vezes. O que deixa mais abalado é o fato de que ela existe e não sabe porque quer acabar com sua vida. Isso aperta o coração e é tão desolador que as lágrimas chegam a correr. 
Esse livro faz parte de uma série, e é o segundo volume, porém, apesar disso, não senti dificuldades ou necessidade de ter lido o primeiro livro. Mas adoraria ter outras obras do Joachim Meuerhoff traduzidas para o português. A Valentina está de parabéns, não só por trazer um autor de um nacionalidade que foge dos Estados Unidos (Somos bombardeados de autores norte-americanos), mas também por uma história tão envolvente.

A diagramação do livro ficou perfeita. Na folha de guarda vemos um gato que ilustra uma das teorias de um dos pacientes da instituição, as folhas são amareladas e possui uma boa fonte. Durante a leitura não encontrei nenhum erro de revisão, além do mais, creio que a tradução conseguiu manter o clima que o autor queria propor para essa história, com uma escrita graciosa.
Recomendo a obra para quem quer fugir um pouco do habitual, com um cenário novo, personagens  profundos e complexos, onde o romance consegue ter várias nuances e conduzi como a um passeio de montanha russa.

Para mim, somos seres distintos e as diferenças acabam gerando estranhezas, a partir do momento que vamos criando laços de afeto (ou nem tanto) vamos quebrando paradigmas e vendo o outro como alguém normal, com suas diferenças claro, mas que comparadas com as nossas estão nas mesmas medidas. É aquela história de que tudo tem um peso diferente, dependendo de quem o suporta.

E para você, a loucura está do lado de dentro ou de fora?


Até logo,
Pedro Silva!

2 comentários:

  1. Oi, Pedro!
    Alem da capa e título, o enredo do livro é bem interessante. Me pareceu bastante original e sua resenha me deixou curioso.
    Com certeza eu leria.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Pedro, tudo bem?
    Garoto, que resenha é essa, hein? Eu já tinha visto a capa e tinha muita vontade de lê-lo mas depois de sua resenha o livro certamente será uma de minhas compras e talvez leitura até o final do ano. A intensidade que o autor consegue por no livro é algo que eu gosto bastante de ler.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!