Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
1

Resenha #195: Silêncio - Richelle Mead

Lido em: Julho de 2016
Título: Silêncio
Autor: Richelle Mead
Editora: Galera Record
Edição: 1
ISBN: 9788501107381
Gênero: Ficção
Ano: 2016
Páginas: 280


Avaliação:
    



Resenha:

Fei, nossa protagonista, é habitante de um vilarejo que há várias gerações possui uma peculiaridade: todos que vivem lá são surdos. Entretanto, algo inesperado acaba assolando sua população: as pessoas começam a perder também a visão, causando uma grande agitação na comunidade. Tal vilarejo possui uma forte hierarquização da sociedade, sendo os aprendizes e artesãos os mais respeitados. Diante desse novo "problema", diversas outras questões oriundas deste primeiro problema começam a surgir ou se agravar. Um deles é a escassez de suprimentos.

É aí que Li Wei (crush da Fei) decide descer até a encosta da montanha, onde há outro vilarejo, para tentar coletar mais mantimentos para seu povo. Fei decide então acompanhá-lo nessa jornada. E é na descida da montanha que, por um passe de mágica, Fei começa a ouvir os sons que estão ao seu redor. 


Richelle Mead consegue construir personagens fortes e determinados. Li Wei, inconformado com a situação na qual os mineradores de seu vilarejo são submetidos, passa a lutar por estes. Não apenas o fantasioso é tratado na obra, mas também discursos que poderiam muito bem ser aplicados ao mundo capitalista onde vivemos, onde grande parte da população recebe o mínimo para sobreviver, enquanto alguns outros detêm grande parte da riqueza. 

Durante a narrativa, diversas passagens conseguem arrancar nosso fôlego, quer seja em um momento de ação, quer seja em uma passagem mais tocante. O real e o fantasioso andam de mãos dadas, deixando Silêncio ainda mais atrativo do que sua premissa possa sugerir. Embora que de forma não muito nítida, Richelle Mead atraí para seu livro um pouco da mitologia chinesa, deixando a obra mais completa e, em partes, mais palpável. 


Com uma escrita fluente e capacidade singular de dar continuação ao enredo sem torná-lo cansativo, Richelle Mead conseguiu escrever Silêncio de forma maestral. Indico a leitura a todos aqueles que, como eu, são apaixonados por livros distópicos, mas não apenas para estes leitores. Fãs de romance também se encantarão pela complexidade e singeleza da obra e de todos os seus altos e baixos.

O exemplar da Galera Record, como sempre, está impecável. O livro apresenta pontos com acabamento dourado na capa, o que o torna mais elegante. As folhas amareladas auxilam na leitura cômoda. A diagramação não deixa a desejar e erros gráficos/gramáticos não foram encontrados. Parabéns à Editora!

Quebre os tabus o silêncio: leia.

Até logo,
Sérgio H.

Um comentário:

  1. Deu vontade de ler, mas não deu. Não sei o que pensar dessa história da autora. Parece bom, mas estou com um medo de pegar e não curtir. Até porque gostei das séries de VA dela que li e acho que vou acabar tentando comparar de nível e tal e...sei não. Parece que é bom, vendo falar assim. Ela escreve de uma forma muito boa e é uma coisa diferente do que já vi dela essa história. Ainda não sei se e quando leio, mas está nas possibilidades...

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!