Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
8

Resenha #166: Toda Poesia de Augusto dos Anjos - Augusto dos Anjos



Lido em: Abril de 2016
Título: Toda Poesia de Augusto dos Anjos
Autor: Augusto dos Anjos
Editora: José Olympio
Edição:
ISBN: 9788503010948
Gênero: Poesia brasileira
Ano: 2016
Páginas: 320


Avaliação: 



Resenha:

Certamente você já ouviu falar em Augusto dos Anjos nas aulas de literatura, em alguma prova do vestibular, ou até mesmo viu algum de seus versos mais famosos na internet como:

“Eu, filho do carbono e do amoníaco,/ Monstro de escuridão e rutilância.” ou“O beijo, amigo, é a véspera do escarro,/ A mão que afaga é a mesma que apedreja.”.

Porém, o que mais sabemos, sobre esse poeta brasileiro? Confesso que nunca tinha me aprofundado de fato da vida e obra do conterrâneo Augusto dos Anjos, e esse relançamento da José Olympio veio em boa hora.


Nesse livro temos o único livro publicado do autor “Eu”, e outros poemas nunca reunidos em livro, além de contar com um estudo crítico de Ferreira Gullar. Esse estudo é de extrema importância para conhecermos melhor a pessoa que foi Augusto dos Anjos, e consequentemente sua poesia, as escolas literárias que se influenciou, mas sem filiar-se a uma específica, e até temos um contexto histórico e social do início do século XX.


“Para tentar decifrar o enigma do mundo, o poeta desce ao inferno dos leprosários, se confunde com os tuberculosos, come pratos de vermes, devora olhos humanos e sobe às alturas celestiais.” Pag 18 (Trecho do estudo de Ferreira Gullar)


As poesias de Augusto dos Anjos sãos conhecidas pelo seu pessimismo e desânimo, assim como uma inclinação para a morte. Em seus poemas é comum encontrar reflexões sobre a vida, e a miséria do ser humano. Quanto à estrutura, suas poesias apresentam rigor na forma e rico conteúdo metafórico.

Autores como Charles Baudelaire, Edgar Allan Poe, Schopenhauer, Spencer e Darwin, influenciaram sua visão de mundo, assim como sua poesia. Que trás elementos científicos, termos filosóficos e culturais, que a primeiro momento oferecem dificuldade, mas mostra o que Augusto dos Anjos trazia de novo para a literatura brasileira.

Autor talentoso que demorou a ser reconhecido pela crítica. Merece ser lido e conhecido por todos. Poesia paraibana da melhor qualidade, e que merece um pouco mais da nossa atenção.


Essa nova edição da José Olympio esta incrível, o projeto gráfico da capa é simples, e o mais bonito de todas as edições ate agora. As folhas são amareladas, com fonte e espaçamento ideais. Além de não ter nenhum erro de revisão.

Augusto dos Anjos (1884-1914): nasceu no Engenho do Pau D’Arco na Paraíba. Filho de uma aristocracia falida, sua infância foi marcada por perdas e privações. Aos 17 anos publica no jornal O Commercio suas primeiras poesias. Em 1912, lança, em edição particular, Eu, seu único livro publicado em vida. Morreu ainda jovem (em 1914) devido a uma enfermidade pulmonar.

Até mais,
Elidiane Galdino

8 comentários:

  1. Já tinha visto uma resenha desse livro em outro blog, e fiquei pensamento se lembrava de antes em algum lugar tinha lido as poesias dele, por ser um autor tão famoso, mas mesmo lendo alguns trechos não consegui recorda. Apesar de não gostar muito de livros de poesia, me interessei por esse por ser um autor conceituado, e pelo fato de cair em provas, e vestibular, mas pelo fato da escrita ser fácil entendimento, e não um tanto complexa, que temos de ficar decifrando.

    ResponderExcluir
  2. Oi Elidiane!
    Já tinha visto e lido resenhas sobre esse livro, apesar disso não conhecia esses verso famosos que você citou. Confesso que já não tinha vontade de ler e confirmei essa certeza quando você disse que o autor é conhecido por poesias com pessimismo, desânimo, e inclinação para a morte. Há quem goste porém, mas não é meu caso.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Elidiane!
    Não conhecia esse livro, gosto muito de poesias, mas nesse caso, sendo o estilo de pessimismo e desânimo, realmente não me traz vontade de ler. A vida já é cheia de problemas e precisamos ler coisas agradáveis aos olhos e coração. Mas com certeza há pessoas que apreciem esse estilo. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. AMO! Já li, já reli e continuo amando tudo dele. Morreu tão jovem, viveu a vida toda doente e conseguiu nos deixar uma herança incrível. São poemas que te tocam a alma de verdade, de uma maneira pesada, é claro. Análise crítica de Ferreira Gullar é para fechar com chave de ouro, outro poeta maravilhoso.

    ResponderExcluir
  5. Adoro um livro de poesia e já faz um tempão que não pego nada do gênero. Gostei da dica. Conheço um pouco do autor por escola e tal, mas nada que aprofunde mais. Esse livro é uma boa ideia para ver mais do trabalho dele em um lugar só. Bem bonita a edição também.

    ResponderExcluir
  6. Que capa linda!
    Confesso que até hoje ainda não li um livro de poesia então não sei dizer se gosto ou não, mas esse me chamou a atenção. Ainda mais por ser nacional. Só não sei se eu gostaria dessas poesias por serem pessimistas, acho que gostaria mais se fossem românticas rs

    ResponderExcluir
  7. Oi Elidiane, tudo bem?
    Desde o simbolismo que eu leio sobre Augusto dos Anjos, porém por ele fica nesse ramo da poesia eu nunca li nenhuma obra, pois não leio poesias. De toda forma adoro ler sobre a vida dele.

    ResponderExcluir
  8. Oiee!
    Acho a capa desse livro linda de morrer, simples mas belíssima!
    Já conhecia o autor, mas nunca li nada dele, como não sou uma leitora nata de poesia acabo só conhecendo os autores do gênero de ouvir falar mesmo.
    Poesia é um tipo de livro que pra mim é bem complicada, porque eles usam palavras que a gente nem sabe o que significa, aí tem que ficar recorrendo aos dicionários, isso acaba cansando e desanimando, ao menos isso acontece comigo, por isso não costumo ler.
    Não pretendo lê-lo.
    Bjokas!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!