Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
9

Resenha #163: Quarto - Emma Donoghue



Lido em: Abril de 2016
Título: Quarto
Autor: Emma Donoghue
Editora: Verus
Ano: 2016
Páginas: 350

Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:   





Resenha:

Jack é um menino de quatro anos, mas está prestes a completar mais uma primavera. Tudo que ele conhece, entretanto, é o quarto. Trata-se de um ambiente apertado, onde convive com sua mãe. Para ele, o quarto é tudo que existe. Aquelas coisas da tevê - praias, animais, pessoas - são apenas mentiras, criadas para sua diversão. Jack nasceu em cativeiro.

Sua mãe, que fora sequestrada há sete anos, quando estava indo à faculdade, é diariamente abusada sexualmente pelo Velho Nick, seu captor, exatamente às 21:00h. Enquanto os estupros repetidos acontecem, Jack conta seus dentes, em silêncio, trancado no guarda-roupa. O “lá fora” é abstrato e, em sua mente, do outro lado da claraboia, encontra-se o espaço sideral. Jack, entretanto, é uma criança feliz.

"O lá fora tem tudo. Agora, toda vez que eu penso numa coisa, como esquis ou fogos de artifício ou ilhas ou elevadores ou ioiôs, tenho que lembrar que eles são reais, acontecem todos juntos de verdade no lá fora. Isso deixa minha cabeça cansada. E as pessoas também, bombeiros, professores, ladrões, bebês, santos, jogadores de futebol é gente de todo tipo, eles todos estão mesmo no Lá Fora. Mas eu não estou lá, eu e a mãe, nós somos os únicos que não estão lá. Será que ainda somos reais?"


Narrado em primeiro pessoa pelo nosso pequeno personagem principal, a obra apresenta um grau sem precedentes de realismo. Os fatos, embora narrados por uma criança, apresentam-se cheios de pequenos detalhes que, em conjunto, possibilitam a formação de cenas nítidas em nossa mente. Como todos devem imaginar (até mesmo os que não assistiram ao trailer do filme homônimo), ambos conseguem escapar do cativeiro através de um plano mirabolante. É interessante acompanhar o desenvolvimento de mãe e filho no que diz respeito às relações sociais, tendo em vista que ambos conviveram, em tese, apenas um com o outro durante um longo período de tempo.


Emma Donoghue consegue, de forma magnífica e digna de aplausos, discutir e colocar em foco temas críticos que, de fato, necessitam de visibilidade, como sequestro e cárcere privado. A autora nos mostra as feridas psicológicas que são abertas em quem passa por tais circunstâncias, levando-nos a refletir acerca de tudo que nos rodeia.

Embora a obra possua em seu centro um tema polêmico, a narração feita por Jack nos faz, muitas vezes, cair na gargalhada. É constante a presença de erros de conjugação verbal, digna de uma criança de cinco anos. Além disso, as situações pelas quais Jack passa acabam dando certa leveza ao enredo. Oscilando entre passagens singelas e momentos de causar arrepios em qualquer um, Quarto nos traz uma mensagem não apenas de sobrevivência, mas de adaptação.

"No Quarto, eu e a Mãe tínhamos tempo pra tudo. Acho que o tempo é espalhado muito fino em cima do mundo todo, feito manteiga, nas ruas e nas casas e nas pracinhas e nas lojas, por isso só tem um tiquinho de tempo espalhado em cada lugar, e aí todo mundo tem que correr pro pedaço seguinte."

Munido de personagens fortes, cenas bem descritas e um tema atual, chocante e polêmico, não haveria como o resultado ser diferente: "Quarto" foi, para mim, uma das melhores leituras deste ano. Palavras não conseguem descrever os sentimentos que vivi durante a leitura do meu exemplar. Por este motivo, convido você, leitor, a viajar pelas teorias de Jack e conhecer 'o quarto' e o 'lá fora'. Convido você a conhecer a estranha mente humana.

Confira o trailer da adaptação cinematográfica, que concorreu ao Oscar 2015 na categoria de melhor atriz:


Até logo,
Sérgio H.



9 comentários:

  1. Já faz algum tempo que li esse livro, e ainda vejo o seu efeito nas pessoas (mesmo nas que apenas assistiram ao filme). Tem uma crítica, não sei de qual revista americana, Newsweek, acho, em que ele diz que você leva o Jack consigo, muito tempo depois da leitura - e ele estava certo, porque volta e meia ainda ouço o Jack dizendo que “monstros são grandes demais pra existir”. Esse é mesmo um belo livro, e ainda me surpreende ser tão desconhecido por aqui, sendo tão premiado mundo afora. Já li muita coisa na vida, não só por prazer, mas também por profissão, sendo tradutor e revisor de textos. Mas confesso que nunca li um livro como esse, não encontrei em nenhum outro livro palavras como as de Jack. Nunca me senti tão profundamente tocado por palavras tão simples como as de um menino de cinco anos, sua singularidade, sua visão de mundo (não apenas aquele mundinho restrito do Quarto, mas o mundo do "Lá Fora", como ele diz. É uma história difícil? sim, concordo, mas como você descobre nas palavras da Mãe "tudo tem dois lados". O filme é belo, poético, emociona, faz pensar, mas o livro é muito melhor, e tem muito mais do que aparece no filme. Senti falta em especial do senso de humor do Jack. Mesmo sendo uma leitura tensa às vezes, não da pra não morrer de rir com as coisas que ele fala, seja por sua ingenuidade ou por sua perspicácia diante de coisas que nem nos damos conta em nossa correria diária. É uma leitura que faz toda a diferença, quando você assiste a um filme como este. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Só fui conhecer esse livro após a adaptação cinematográfica, quando assistir ao trailer fiquei super interessada em ler o livro, além do mais até hoje não li uma resenha desse livro que alguém tenha criticado negativamente a estória, e isso faz com que eu tenha ainda mais interesse em ler o livro. Apesar de aborda um tema polêmico, e complexo, a trama em si e muito comovente, emocionante, e envolvente, espero ler esse livro ainda esse ano.

    ResponderExcluir
  3. O Quarto sempre foi uma leitura que eu quis fazer, primeiro por sempre ver as pessoas recomendando e dizendo que seria uma ótima experiência como leitora; e segundo pelo fato de ter uma premissa muito diferente e inusitada. Mas passou e quando eu vi que iria sair o filme e vi o trailer fiquei mais curiosa ainda pra conferir a obra. Quero muito fazer a leitura antes de ver o filme e passar por essa experiência no "mundo de Jack".

    ResponderExcluir
  4. Olá! Quero muito esse livro, é o que posso dizer! Já assisti o filme e gostei muito. Mas o livro é minha grande expectativa! Não tem como não se envolver de corpo e alma com esse enredo, com o sofrimento e esperanças desses personagens. É um assunto muito forte, polemico e , que toca no emocional e faz vc pensar sobre o significado verdadeiro da palavra "liberdade". É apaixonante. Já está no topo da minha lista de desejados. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Acho que este livro deve ser maravilhoso, tanto a história quanto a maneira como é escrito, muito sensível. Porém acho que eu não conseguiria ler, tenho um filho de 5 anos e depois de ser mãe não consigo encarar nada que possa me remeter ao sofrimento de crianças, choro demais e fico muito mal.

    ResponderExcluir
  6. Esse é um livro que fiquei com vontade de ler por causa do filme. Vi o trailer e soube que tinha livro, queria saber como ficou a adaptação. É uma história bem interessante, ainda mais por ter essa visão do garoto. O tema é forte e parece que a autora soube passar emoção na escrita, fez um livro muito bom de ler. Gostaria de conferir, mas ainda não deu =/

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Desde antes de anunciarem que esse livro teria filme, ele já estava na minha wish list. Uma pena que o filme não tenha vindo para o cinema da minha cidade, queria muito assisti-lo, agora vou esperar sair o filme. Porém antes disso quero ler o livro, todos as resenhas que eu vejo são positivas e estou com a expectativa nas alturas quanto a escrita da autora!

    ResponderExcluir
  9. Oi Sérgio, tudo bem?
    Quarto parece ser o tipo de livro que você pega para ler e só larga quando termina. Eu particularmente tenho grandes expectativas com essa obra e espero lê-la o quanto antes. O filme, pelo que pude ler, está ótima e bastante fiel.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!