Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
4

TAG #10: Top do Falsete. [ORIGINAL]

Há poucas semanas, nas mídias sociais, foi divulgado um vídeo da MC mirim Melody junto com a amiga Mc Débora. Ambas aparecem ostentando falsetes que acabaram não agradando muito o público. Como os zoeiros não perdoam ninguém, não demorou muito para que a filmagem se tornasse um viral, ganhando inúmeras versões.




Com isso, veio a ideia de criar uma TAG literária a partir do famoso vídeo com o intuito de divertir e claro, falar de livros. \o/

Vamos as perguntas?




1°. "Vamos mostrar cultura para esse povo?" - Um livro que te mostrou uma cultura que você desconhecia.


A Cidade do Sol, de Khaled Hosseini:
Apesar de ter lido O Caçador de Pipas antes, em meados de 2012, creio que o tema da condição da mulher afegã em meio a um Oriente Médio em conflito foi mais impactante para mim, o que acabou me deixando chocado e revoltado com a discriminação e isso é só o pano de fundo para nos apresentar os demais costumes dessa sociedade.










2°. "Estamos aqui com minha amiga." - Um livro que fale de uma amizade bonita.


Mais uma vez eu poderia citar o livro anterior, pois surge, depois do desgosto inicial, uma linda amizade entre Mariam e Laila, mas para não ser repetitivo...

Através do Espelho, de Jostein Gaarder:
Eu adianto logo que é um livro agridoce, no sentido de que ao mesmo tempo que é melancólico e triste, ele consegue nos trazer uma certa felicidade. Cecília é uma criança que passa os dias em cima de uma cama, doente, até que no natal ela recebe a visita de um anjo que trará conforto e a preparação para a morte. Levo isso como uma amizade, afinal, nos últimos momentos de vida da garota ele que estava lá explicando coisas sobre o universo e deixando a garota leve para voar. Além da amizade, a garotinha tinha um caderno onde anotava tudo o que aprendia, lembro que uma delas era o sabor que as palavras possuem e a partir disso, passei a sentir também o gosto que cada palavra carrega em si. Você já sentiu?








3°. "Top no falsete" - Um livro muito badalado e que tende a agradar quem lê-lo.



Luna Clara & Apolo Onze, de Adriana Falcão:
Um livro para crianças que adultos adultos irão amar, porque vão sentir nostalgia. O enredo tem as situações mais mirabolantes e personagens peculiares inesquecíveis. Comleiturarápidaeadoraveléimpossivelnãoamar.











4°. "Faz o gritinho pra nós." - Um livro que fez muito barulho, mas no fim não mostrou tanto.



Estilhaça-me, de Tahereh Mafi:
Estava tão animado que comprei os dois primeiro volumes e acabei me desfazendo de ambos sem tocar no segundo. Distopias sempre são legais, mas quando bem trabalhadas, e nesse caso, achei que a autora focou mais em sua personagem e na fuga dela de Warner, o "vilão", do que em nos mostrar sobre o sistema do mundo (des)criado. Não foi um bom inicio de trilogia, e o final me deixou mais desgostoso, principalmente por se tornar uma espécie de X-men. Mas vale salientar que não funcionou comigo, o que não significa que será do mesmo jeito com você.








5°. "Agora você." "Eu?" - Dois livros que trazem uma temática semelhante, mas que em sua opinião é melhor trabalhado em outro.





A Playlist de Hayden, de Michelle Falkoff e Os 13 Porquês, do Jay Asher:

Aqui optei por escolher o suicídio como tema abordado. Achei que em Os 13 Porquês o autor conseguiu trazer por meios das fitas realmente os motivos do suicídio, enquanto em A Playlist de Hayden a autora optou por uma seleção de músicas que dão um tom mais abstrato e que dificultam compreender os motivos para o garoto tirar a própria vida. É um tema muito pesado, mas que eu nunca vou chegar a compreender o que se passaram na mente dessas crianças, eu sempre acho os motivos bobos, mas EU, PEDRO, acho isso. Nunca sabemos o se passa nos outros realmente, e uma coisa vista como boba por nós pode causar grandes desastres nos outros. É uma questão tão complicada, mas que os autores captaram bem e princialmente mostrar as consequências para quem fica fico, digo, os amigos dos suicidas.



6°. "Parabéns!" - Sabe aquele autor que você tem um carinho especial e que te ajudou de alguma forma? Que tal elogiá-lo pelo grande feito.




Obrigado, Paolo Giordano!!!
Não vou falar muito aqui porque a relação que tenho com o Giordano é muito intimista e que é melhor ficar apenas entre eu e ele (e quem se atrever a ler seus livros). Gosto de brincar que meus sentimentos estão transcritos em A Solidão dos Números Primos. Volta e meia me pego com o livro em mãos folheando e relendo algumas passagens soltas e sempre com o mesmo sentimento da primeira leitura.
"Mattia. Enfim. Pensava nele com frequencia. De novo. Era como outra de suas doenças, da qual não queria realmente curar-se. Pode-se ficar doente, também, apenas com uma recordação, e estava doente desde aquela tarde no carro"
Só o que tenho a dizer é que nos encontramos mais uma vez em O Corpo Humano, e esse encontra será logo mais. pois já comprei. #MuitoAmorEnvolvido





Indicados

Não poderia sair daqui sem indicar alguns amigos queridos:


Enfim, é isso. Espero que tenha gostado, e mesmo que não tenha sido tagueado, fique a vontade para respondê-la caso queira.

Att,
Pedro.

4 comentários:

  1. Oi, Pedro!
    Tag super criativa... olha que eu nem conhecia esse vídeo. hehe
    Gostei bastante das suas respostas.
    Obrigado por me indicar, responderei em breve.

    Até mais,
    www.entreserieselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ebaaaaaaaaaaaaaaaa, amo tag's!! fazia um tempinho que n fazia uma <3
    www.guildadosleitores.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Pedro
    KKKKKKKKKKKKKKKK, só você mesmo pra inventar algo assim.
    Gostei e responderei, pode deixar. Obrigado pela indicação. Quando postar la no blog irei avisar <3

    Abraços
    David Andrade
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
  4. Muito criativa essa tag.
    Gostei dos livros escolhidos. Já li A cidade do sol, também me impactou bastante.
    Esse livro do Jostein Gaarder eu li quando era bem pequena, de modo que não me lembro muito bem da estória, mas fiquei com vontade de reler.
    Abraços.
    Minhas
    Impressões

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!