Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
1

Resenha #106: Para Continuar - Felipe Colbert



Título: Para Continuar
Autor: Felipe Colbert
Editora: Novas Páginas
ISBN: 9788581637952
Ano: 2015
Páginas: 224


Adicione no Skoob




Avaliação:


Resenha


Para Continuar, é o segundo romance do autor Felipe Colbert publicado pelo Grupo Novo Conceito (Belleville, 2014, é o primeiro), e nesse ele vai misturar emoção com sick-lit e elementos fantásticos.


Leonardo César é um jovem estudante universitário que pega diariamente o metrô paulista para realizar suas atividades monótonas do cotidiano. Numa dessas viagens, ele acaba se encantando por uma jovem moça asiática que se senta numa cadeira próxima a dele. Após uma tentativa frustada de contato, ele a segue, e chega ao bairro da Liberdade, onde a garota entra em uma loja de luminárias japonesas. A partir desse contato, Ayako e Leonardo vão se envolver e desvendar segredos que um não sabia acerca do outro. Será que eles irão superar esses obstáculos? O amor que floresce conseguira emergir mesmo com um coração falho? É o que vamos descobrir ao longo das 224 páginas.

Os personagens do Felipe Colbert são poucos, Leonardo, o jovem universitário que carrega uma adoeça séria que o impede de realizar grandes esforços, o que acaba limitando seu modo de vida. Ele carrega essa doença como um segredo, pois não quer que todos o descubram e torne isso algo negativo, levando para o lado solidário de que ele precise sempre de ajuda. Ayako é uma moça que perdeu seus pais ainda na infância em um grave acidente e que desde então foi criada pelo seu ojisan (avô, senhor idoso) e passou a trabalhar na loja de luminárias dele junto com Ho, um homem que tem comportamento de criança e que sente um amor incondicional e não correspondido por Ayako. Apesar de não ser explorado o problema de Ho lembra muito autismo, mas não é revelado no livro.  Além dos principais, conhecemos os pais muito protetores do Leonardo que tendem a esse comportamental por causa do risco de vida do filho, o engraçado Penken, melhor amigo do Leonardo e que sempre está presente e a ex-namorada Malu.

Por ser bem aclamado pelos leitores, estava com grandes expectativas para com esse livro, no entanto, confesso que não foi o que esperava, e a leitura, apesar de agradável, ficou no meio termo. Para começar, o livro não traz nenhuma nota no autor para explicar se o mistério que envolve as lanternas é ficção ou foi inspirada em alguma lenda asiática, fica no imaginário do leitor decifrar. Os personagens são bem infantis em certos pontos, Leonardo, o mocinho sofre de um cardiomiopatia dilata idiopática, e ele tende a esconder isso o que torna algo bem forçado para a idade dele, e não é só esse comportamento que leva a pensar nisso, ele chega a ficar birrento e briga com o Penken por um motivo bem bobo de quem não cresceu.

Um dos elementos mais importantes na narrativa são as luminárias, no entanto, senti que isso não foi muito explorado, elas estão sempre lá no porão da loja antiga, sabemos que tem um mistério forte em torno delas, mas o autor utilizou as últimas páginas para desenvolver esse quesito, o que acabou sendo de forma rápida e pouco convincente.

Sobre a função do personagem Ho, eu consegui decifrar por volta da página 150, o que me deixou bem decepcionado quando cheguei ao fim e o que eu acreditava foi confirmado, mesmo com a atitude nobre, foi previsível e levou ao meio termo.

Apesar dos pesares, recomendo o livro para quem curte um livro nacional de leitura rápida, leve e que mistura nossa cultura com a japonesa, mas saliento: não espere muito do livro, você pode se deparar com situações clichês.

Um comentário:

  1. fiquei bastante triste com a leitura desse livro, não foi como eu esperava e sinto o mesmo que você: muitas coisas acontecem nesse livro, num curto prazo de tempo e tudo fica forçado e cansativo.

    beijos, www.setecoisas.com

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!