Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
3

Resenha #96: Dead Island - Mark Morris



Lido em: Agosto de 2015
Título: Dead Island
Autora: Mark Morris
Editora: Galera Record
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 280


Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:      

 



Resenha:

Em Dead Island, livro baseado em um jogo homônimo, conhecemos a ilha fictícia de Banoi, local altamente visitado por turistas, um refúgio para aqueles que querem se livrar da vida caótica das cidades grandes e aproveitar uma bela vista com todas as mordomias que um resort pode oferecer. Entretanto, tudo parece mudar quando um vírus letal e misterioso começa a assolar a população nativa da região, e rapidamente essa pequena infecção toma proporções pandêmicas.

A trama se passa em torno de quatro personagens principais: Sam, um rapper que ficou famoso pelo seu primeiro e único hit e, depois disso, caiu no esquecimento; Purna, uma australiana durona que trabalha como guarda-costas para pessoas ricas; Logan, um atacante de futebol americano que se aposentou após ter cometido um ato irresponsável e imaturo; e Xian Mei, uma atendente do hotel que esconde um segredo triste e que ao mesmo tempo a faz se sentir impotente. Vale salientar que novos personagens nos são apresentados a todo momento, deixando a narrativa muito mais envolvente e agitada, mas que os protagonistas são os acima citados.


Durante o decorrer da leitura, vamos conhecendo um pouco mais sobre a formosa ilha de Banoi, bem como seus habitantes e perigos. Os personagens também vão evoluindo pouco a pouco, trazendo ao leitor uma sensação de deslocamento. Nada parece estar parado, tudo está em constante movimento (e mutação, em especial o vírus). Após poucas páginas, todo o clima de paraíso perfeito que a ilha aparentava ter é quebrado: é nesse momento que somos apresentados ao 'inferno' em que ela se torna. Pessoas morrendo e 'retornando' com uma fome de carne fresca... fome de humanos. Em menos de doze horas, oitenta mil pessoas já estão infectadas, o que corresponde a mais de 60% de Banoi.

Diferentemente de outras séries que abordam o mesmo conteúdo, Dead Island nos traz uma história não muito bem elaborada e com muitas brechas. Os zumbis que nos são apresentados também são bem diferentes dos que costumamos 'ver' por aí: eles são tão velozes quanto pessoas vivas e parecem ser, até certo ponto, mais resistentes. Há passagens em que fiquei me perguntando: SÉRIO QUE ESSA PESTE AINDA NÃO MORREU? ELE É FEITO DE AÇO OU O QUÊ? Mesmo sabendo que o livro é baseado no jogo, depositei muitas expectativas e esperei uma coisa encaixada, que me fizesse virar fã de carteirinha, da mesma forma que sou de The Walking Dead. Entretanto, o enredo consegue ser repetitivo e ao mesmo tempo mal escrito, com um roteiro pessimamente adaptado e diálogos desnecessários, para não falar infantis. 


De toda forma, em quase todos os capítulos alguma nova informação nos é dada, fazendo com que fiquemos preso àquela nova descoberta e nos deixando cada vez mais ansioso para saber o que irá acontecer. O final, embora surpreendente, deixa uma lacuna enorme em aberto, nos fazendo pressupor que haverá uma continuação. Espero, de verdade, que haja uma. Há muitas dúvidas para serem sanadas e não gostaria que o fim fosse realmente algo tão aberto e não explicativo. 

Enfim, para finalizar, gostaria de dizer que achei a edição linda. A capa, reproduzida da mesma forma que a do jogo, traz um diferencial: o título em alto relevo e com verniz aplicado. Eu simplesmente AMO essas capas bem trabalhadas que a Galera Record nos dá! Percebi alguns erros gráficos e gramaticais durante a leitura, mas nada que uma segunda revisão não sane. Recomendo a leitura a todos aqueles que gostam de zumbis, apocalipse ou até mesmo games online... vocês não se arrependerão. Mas, mais uma vez, deixo claro: não pensem que essa será sua melhor leitura do ano, pois provavelmente não será.

Até logo,
Sérgio H. 

3 comentários:

  1. A galera record sempre arrasa nas capas. Uma pena que não foi o mesmo com o livro, que aliás nem conhecia mas já vi o jogo.
    A quanto tempo que não visito o de cara nas letras! Abraços!
    http://borboletasdegelo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ei Sérgio!
    Com certeza, apesar da resenha positiva, não vai para a minha lista. Adoro sobrenatural, mas zumbi é uma criatura com a qual eu não me atrevo a me envolver. Sou medroso nesse quesito e prefiro nem arriscar a leitura. Comprei A Garota que Tinha Dons e nem quis ler depois q descobri que era de zumbi. O unico que li até hoje q chega perto foi A Outra Vida, mas são mais mutantes que zumbis. Não curto muito. Sempre tem muita carnificina e a galera é toda humana e indefesa contra aquelas coisas.
    Dessa vez vou pular a dica.

    Abraços
    David Andrade
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
  3. Sérgio!!!! Mesmo com esses pontos negativos que você citou, eu fiquei doida pra ler este livro, hahaha.
    Nem aí pra repetição e tudo mais. O que me importa é que tem sangue. Deve ter pedaços de pessoas também... Adoro isso!!!

    Essa capa é um escândalo. Lerei com toda a certeza!!

    Bjkssss


    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!