Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
2

Resenha #90: A Festa é Minha e Eu Choro Se Eu Quiser - Maria Clara Drummond


Lido em: Julho de 2015
Título:  A Festa é Minha e Eu Choro Se Eu Quiser
Autora: Maria Clara Drummond
Editora: Guarda-Chuva
Gênero: Romance Brasileiro
ISBN: 9788599537299
Ano: 2013
Páginas: 84

Adicione esse livro ao Skoob:

Avaliação:    




RESENHA:


Davi é um cineasta em inicio de carreia que transita bastante entre São Paulo e Rio de Janeiro. Ele frequenta as festas mais badaladas, viaja para fora do país, recebe trabalhos publicitários, tem amigos legais e claro, gosta de uma menina.

Mas mesmo com essa vida glamourosa, Davi se mostra melancólico e vai se esvaindo dessa sua vida, perdendo o interesse nas festas, no que está fazendo, com quem está se relacionando e passa a enxergar sua vida e as relações com seus amigos de uma forma mais fútil ao contrário das amizades cultivadas no colegial e da felicidade que não sente ao estar presente nesses ambientes badalados.


A Festa é Minha e Eu Choro Se Eu Quiser é o primeiro livro da jornalista Maria Clara Drummond. Ele é narrado em primeira pessoa (com gírias que remetem um pouco ao RJ) em um fluxo de consciência e espanta um pouco a principio, pois o texto é escrito de forma corrida, sem divisão de diálogos, pensamentos ou descrições, mas que só trazem originalidade à sua obra. 



Maria Clara Drummond consegue trazer elementos bem atuais como auto-felicidade e satisfação naquilo que estamos realizando, principalmente num mundo onde a solidez das relações andam desandando e o foco das pessoas são justamente nas contas bancarias e no seu status social. Davi vai descobrir que às vezes é necessário uma parada em tudo o que estamos realizando, que a ambição acaba com a pureza das coisas e que se desprender disso é necessário para nos desintoxicarmos do que nos afeta negativamente.


A editora Guarda-Chuva caprichou na edição do exemplar, as folhas são amareladas e a fonte tem tamanho agradável. São oito capítulos e cada um deles recebe uma figura geométrica. É um livro fisicamente muito bonito, com um personagem que discorre sobre a vida e que lembra um pouco o estilo de Clarice Lispector, tendo tudo para agradar aqueles que curtem uma historia cheia de reflexões e que são na verdade o foco principal do romance.


Att,
Pedro Silva

2 comentários:

  1. Olá, Pedro! Tudo bom?
    Acabo de conhecer o blog e fiquei encantado com a beleza e a escrita ótima de vocês. Dá gosto de ler.
    Adorei o título e a premissa desse livro, com certeza eu vou colocar na minha enorme lista de atrativos. Uma vida badalada nem sempre é sinônimo de felicidade e satisfação, às vezes é sinônimo de um vazio profundo.
    Quero muito ele.

    Um abraço,
    Diego, Blog Vida e Letras
    http://blogvidaeletras.blogspot.com

    P.S.: eu não achei como seguir o blog (rs.), pena.

    ResponderExcluir
  2. Oi Pedro,
    Passei para conferir uma de suas resenhas e comecei por essa. Os livros da Guarda-Chuva são todos muito lindos. Esse não havia me interessado pela sinopse. Mas é sempre bom tomar por base alguém que leu e que sabemos que tem bom gosto.
    Parabéns pelo texto.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!