Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
4

Resenha #74: Dias Infinitos - Rebecca Maizel


Lido em: Maio de 2015
Título: Dias Infinitos
Autor: Rebecca Maizel
Editora: Galera Record
Gênero: Juvenil / Ficção
Ano: 2015
Páginas: 384


Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:   


  


Resenha:

Depois de tantos séculos desejando voltar a ser humana, em seu aniversário de 592 anos, Lenah finalmente acorda como uma. Para que isso acontecesse, ela hibernou por 100 anos, além de ter passado por um ritual feito por outro vampiro... e quem a ajuda é seu amante e melhor amigo, Rhode.

O livro é dividido em duas partes e a cada capitulo temos um pouco do passado de Lenah na Inglaterra. A primeira parte é sobre a chegada dela no mundo como humana, como foi para ela a transformação e como se adaptaria sem levantar suspeitas, além de nos mostrar como era ser a vampira mais poderosa do seu coven.



Em certo momento da narrativa, achei cansativo Lenah ficar comparando sua vida atual com a passada. Outra coisa que me irritou foi o fato dela "morrer de saudades" do seu coven. mesmo tendo escolhido por aquilo. Acho que ela deveria ser mais ciente de suas ações e aceitar as consequências. A princípio, pensei que ela seria uma humana independente e que não precisaria de um "cavalheiro" em um "cavalo branco" para salvá-la de sua tormenta, porém me enganei. A dependência de Lenah por amor é maior do que a necessidade de se esconder de quem a persegue. O mais confuso é que ela não sabe quem amar: se é Rhode, o vampiro que a transformou; Vicken, o soldado que ela transformou no passado; ou se é Julian, um humano que a faz esquecer de tudo e de todos. Nesse livro, não temos um triângulo amoroso. Temos um QUADRADO!

Por mais que eu ache a personagem principal um clichê (não por ser vampira, mas por suas atitudes) , é meio compreensivo o modo de como ela pensa. Ela era uma vampira com mais de 500 anos de vida e um século depois tudo que ela conhecia se fora. Já na escola, Lenah rapidamente conquistou a amizade de Tony, ele foi um dos melhores personagens que o livro nos trouxe, seu bom-humor e companheirismo não só me conquistou como também conquistou a Lenah, que sempre foi grata a ele, já que no século XXI o jeito de fazer amizades era totalmente diferente do que ela conhecia.


Lenah até certo ponto passou despercebida por todos da escola, até que Justin Enos começou a se interessar por ela e como consequência o grupo da namorada de Justin, chamada de  Três Peças, tentaram atormentar a vida da nossa ex-vampira. Com o tempo Lenah soube como era viver intensamente. O que Dias Infinitos traz de diferente é a abordagem de como os vampiros são, sem o clichê do crucifixo, água benta, caixões, e a luz solar. Para falar a verdade, nesse livro vemos que quanto mais velho o vampiro for, mais ele consegue certa imunidade ao sol.


No início do livro, achei que esse seria totalmente diferente dos outros livros de vampiro que já li, mas no decorrer da leitura vi que não. Claro, a obra tem seus diferenciais, como a narração de uma ex-vampira que acorda no século XXI, mas de forma geral achei um livro clichê como vários que vemos por aí. De toda forma, leia-o. Gostaria de saber sua opinião! :)

Resenhado por:
Sofia Fidelis

4 comentários:

  1. contos vampirescos, sempre é bom ler e esse livro parece interessante, tenho que lê e da a minha opinião.

    http://armazemdochef.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Esse livro realmente me despertou a atenção. Como uma mulher que viveu há 500 anos reaparece? Como lidar com questões tipo documentos: certidão de nascimento, rg, etc.
    Simplesmente, ela apareceu do nada para muita gente. Ela teve apoio desses outros vampiros?
    E por que ela quis voltar a ser humana?
    Questões como essa me fazem ficar curioso.

    ResponderExcluir
  3. Comprei esse livro. Já estou no capítulo 4. Pelo livro, dá impressão de que Tony seria um namorado futuro, mas pelo seu post, já vi que não.
    Ainda não cheguei a achar cansativo o livro. Mas todo mundo fala que o livro se torna cansativo. Vamos ver!
    http://filosofodoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não penso ser ela ciente de gosta de seu coven, se sinta sua falta. Aliás, sua vida é vunerável a tudo. assim ela está ainda a espera do espetáculo da humana. não chegou, pois seus amigos, passados ou a temporais não permitem que ela entenda o que é encontrar um amor ou vive-lo

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!