Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
5

De Capa Em Capa #12: Precisamos Falar Sobre o Kevin - Lionel Shriver

Hey, hey, pequenos, grandes e estimados leitores.

A coluna de Capa em Capa está no ar, e dessa vez com algumas das capas que consegui reunir do livro Precisamos Falar Sobre o Kevin, de Lionel Shriver, norte-americano nascida em 18 de Maio de 1957, que além de escritora é jornalista. Esse é seu 7° (Sétimo) livro, porém, aqui no Brasil só foram publicados 5 (cinco), todos pela Editora Intrínseca, sendo esse o primeiro e de maior sucesso. 

Precisamos Falar Sobre o KevinConfira a sinopse, caso não conheça o livro:
Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive. A vida normal se esvai no escândalo, no pagamento dos advogados, nos olhares sociais tortos.  Transposto o primeiro estágio da perplexidade, um ano e oito meses depois, ela dá início a uma correspondência com o marido, único interlocutor capaz de entender a tragédia, apesar de ausente. Cada carta é uma ode e uma desconstrução do amor. Não sobra uma só emoção inaudita no relato da mulher de ascendência armênia, até então uma bem-sucedida autora de guias de viagem.  Cada interstício do histórico familiar é flagrado: o casal se apaixona; ele quer filhos, ela não. Kevin é um menino entediado e cruel empenhado em aterrorizar babás e vizinhos. Eva tenta cumprir mecanicamente os ritos maternos, até que nasce uma filha realmente querida. A essa altura, as relações familiares já estão viciadas. Contudo, é à mãe que resta a tarefa de visitar o "sociopata inatingível" que ela gerou, numa casa de correção para menores. Orgulhoso da fama de bandido notório, ele não a recebe bem de início, mas ela insiste nos encontros quinzenais. Por meio de Eva, Lionel Shriver quebra o silêncio que costuma se impor após esse tipo de drama e expõe o indizível sobre as frágeis nuances das relações entre pais e filhos num romance irretocável.


E agora a parte que interessa à coluna, as capas:



(1° Londres I; 2° Londres II; 3° França; 4° Germânia; 5° Espanha e 6° Rússia)


Todas as capas acima, exceto a da Espanha, passam apenas pequenos e imperceptíveis detalhes da trama  do livro. Londres mostra um garotinho que aparenta ser bem comportado e alegre, o que pela sinopse notamos que ele não é nenhum pouco assim, porém, assim como a capa de Londres II, ela trás um pedaço de folha que remete a forma em que o livro é estruturado: Cartas. Já as capas da França, Germania e Rússia nada me dizem e por isso, não gostei delas. Dentre essas a que mais me agradou foi mesmo a da Espanha com esse jovem garotinho segurando uma arma, o que já nos deixa intrigado, pois não é habitual vermos essa cena.


(1° Grécia; 2° Finlândia; 3° Itália; 4° Portugal e 5° Holanda)

Esse segundo conjunto de capas me agradou um pouquinho mais do que a anterior. Tirando a capa da Holanda, que achei que ficou com ar de alegre e a de Portugal que não tem um diferencial que me chama a atenção, eu gostei de todas, principalmente a da Finlândia que está bem sombria.



(Superior: Brasil e Brasil. / Inferior: EUA e EUA Filme)



Agora, "Precisamos Falar Sobre As Capas Mais Fantásticas de Todas: as do Brasil, claro. Elas estão, particularmente, incríveis. A capa original tá muito intrigante em P&B e esse garoto com uma cabeça de urso(?) que automaticamente ligamos ao Kevin nos deixa curiosos. A capa do livro nem é tão obscura assim, mas pelo título do livro (que eu acho muito chamativo) e os elementos que compõem me fariam ler.
Bem, a primeira capa dos Estados Unidos é sem cometários, eu não gostei, porém, a do filme é muito estranha, um estranho que nos chama pra ele. Ao mesmo tempo em que acho a Tilda Swinton estranha nessa imagem, vejo-a com uma beleza peculiar e isso me atrai mais ainda.

E vocês, o que acharam das capas?
Já leram esse livro/
Comentem

Até mais ver,
Pedro S. 

5 comentários:

  1. Oi, Pedro!

    Realmente as do Brasil são as mais lindas! Mesmo achando muita feia a capa hahaha, mas comparando aos dos outros países prefiro mesmo as brasileiras.
    Não tenho interesse de ler esse livro, apesar de parecer ser bom.

    Abração! Encantos Paralelos!

    ResponderExcluir
  2. Ah, eu não conhecia o livro, mas entrou pra minha wishlist só pela capa, como você disse o conjunto nome + capa deu um ar sombrio e da vontade de ler ehuae
    Achei entre todas a br a mais interessante, sinceramente c:
    XOXO

    onthislastday.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Não, esse livro ai da pra mim não. O filme já é perturbador, imagine o livro. Curto não

    Abraços
    David Andrade
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
  4. Também concordo, a capa do Brasil é a mais foda, a Intrínseca tem umas capas bem bonitas, são poucos livros da editora que não acho que tenha uma capa legal... Agora, em relação ao livro em si tenho muita vontade de lê-lo. Gostei do post :)

    Abraços
    www.entrepaginasdelivros.com/

    ResponderExcluir
  5. Só digo uma coisa: Tenho medo dessa capa.
    Enfim, bjs,

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!