Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
10

Resenha #4 : Cidades de Papel - John Green



Lido em: Março de 2014
Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 368
ISBN: 9788580573749

Adquira seu exemplar clicando aqui.

Avaliação:    





Resenha:

"Estou indo embora, e o ato de ir embora é tão empolgante que sei que nunca mais vou voltar. Mas e depois? Você continua simplesmente indo embora dos lugares abandonando-os, vadiando uma jornada perpétua?" (Pág. 262)

Quentin Jacobsen, ou simplesmente Q., é um jovem de 18 anos que tem um forte sentimento por sua vizinha Margo desde sua infância, e isso não se resume a uma simples amizade. Ele sabe muito bem que não tem chance com a garota que atualmente vive em outro mundo. Podemos dizer que ele é o garoto Nerd que tem apenas dois amigos e possui uma vida parada, já ela é a garota descolada e popular que forma um par perfeito com um  carinha que se acha o maioral, mas que se revela um completo cafajeste.

Com o final do colegial, Q. junto com seus amigos Ben e Radar passam boa parte do tempo conversando sobre a formatura ou jogando videogame, além de irem para a escola. Mas a vida de Q. ganha uma reviravolta, quando, em certa madrugada, Margo quase o obriga a sair de casa com ela para cumprir 11 tarefas desconhecidas, e ele receoso aceita sem saber que no dia seguinte essa aventura mudaria a sua vida.

Margo desaparece inesperadamente, e deixa algumas pistas que só o Quentin pode decifrar. Loucamente, o garoto parte por uma busca incessante para encontrar a moça, esteja ela viva ou morta.

Cidades de Papel foi um os livros escolhidos para a Maratona e Carnaval e o único que consegui ler. O problema não foi o livro, e sim eu que estava em uma ressaca literária, infelizmente.

Comecei a leitura sem muitas expectativas, já que se travava e John Green. Também optei por não ler a sinopse dele, já para não criar expectativas, sendo assim, ou não, o livro acabou me surpreendendo positivamente.

Em Cidades de Papel a narrativa é em primeira pessoa sob a perspectiva do Quentin. O livro é dividido em 3 partes, digamos que inicio,  meio e fim, sempre em uma folha separada com caminhos representando um mapa. Os capítulos são pequenos. Já diagramação está ótima, exceto por uns dois errinhos de digitação encontrados no decorrer da leitura. O papel utilizado é amarelado que deixa a leitura muito mais agradável.

Quentin é um adolescente determinado e centrado, quando poem algo na cabeça, não tem nada que tire aquilo de lá, ele usa de vários elementos para poder juntar pista que o possa leva-lo ao paradeiro de Margo. Mas o jovem não age só, para isso, conta com a ajuda de dois melhores amigos Ben e Radar, que estão sempre disponíveis para o que der e vier. É um livro que também aborda a amizade.

Margo é uma personagem muito ausente no livro, mas isso não impede que a vejamos através das lembranças do Q. ou de amigos. Não sabemos realmente quem ela é, só o que os outros acham dela, e isso acaba a tornando uma personagem inconformada e superficial, que só se importa com ela mesma, afinal, quem já se viu sumir do mapa e não avisar a sua própria família e amigos? No entanto, quando já criamos varias teorias sobre o sumiço dela,  ódio por sua personalidade e sumiço, o João Verde surpreende ao passar o que essa personagem realmente é, e aí você percebe que estava julgando cegamente uma pessoa.

"É muito difícil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, e é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos." (Pág. 227)

John Green possui uma linguagem super gostosa de ser ler, quando você poem os olhos no papel, acaba focando e automaticamente fica absorto na história, ele escreve de uma foram que conseguimos imaginar o que os personagens estão passando, no entanto, eu senti que o livro poderia ter tido um número menor de paginas, mas tirando isso, é uma ótima leitura.

"Até então, eu não havia chorado por Margor, mas enfim, chorei,  golpeando o chão e gritando porque não havia ninguém para me ouvir: eu sentia saudades dela, eu sentia saudades dela, eu sentia saudades dela, eu sinto saudades dela." (Pág. 180)

Meus queridos leitores, se vocês tem esse livro em casa e ainda não leu, faça o favor de ir lê-lo. Tenho certeza que irão gostar. Mas, por favor, não vá com muita sede ao pote, pois de doenças e choros, Cidades de Papel está bem longe.

10 comentários:

  1. Amo John Green, só falta esse livro dele pra eu ler! Espero ter dinheiro logo..
    Beijos
    Tabatha Cuzziol
    http://aproveiteolivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois cuide de de ler, se gostas do autor, não irás se arrepender. ^^

      Excluir
  2. Olá, ...... (como saber quem está postando, Sérgio ou Pedro?)

    Cidades de Papel foi o primeiro livro que li e único até agora do John Green e eu adorei a narrativa dele. Eu morria de raiva da Margo kkkkkkkk, é um livro ótimo e também recomendo a todos. Um livro que questiona a sociedade e suas escolhas e também o valor da amizade.

    Abraços.
    encantosparalelos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou Pedro. haha
      Cidades de Papel foi o segundo livro do autor que li, o primeiro foi A Culpa é das Estrelas, que não me agradou tanto quanto eu esperava, preciso nem dizer que prefiro Cidades, né?
      Sim, mas mesmo odiando, acabei me envolvendo por ela. Vai entender...

      Excluir
  3. Adorei sua frase no final da resenha: "Mas, por favor, não vá com muita sede ao pote, pois de doenças e choros, Cidades de Papel está bem longe."
    Uma coisa que percebi é que muita gente que se diz fã do John Green só gostou de A Culpa das Estrelas, que se a gente reparar é o livro mais diferente que ele escreveu, acho que sua "identidade" como autor está mais presente nos outros 3 livros, que eu amei por sinal.
    Resenha muito boa, assim como o livro :)

    Beijos,
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visitinha, Débora. Eu concordo plenamente contigo, esse ACEDE é o livro mais diferente por conta da doença e seus dramas que acabam tocando as pessoas, mas nos outros os conflitos são diferentes e nem sempre as pessoas sabem interpretar.

      Excluir
  4. Quero muito lê-lo, parece ser muito bom :)

    ResponderExcluir
  5. Olá! Eu ganhei ele de aniversário. Li, mas não me agradou muito, no começo era meio entediante, mas no meio já gostei mais, li até mais rápido, e o final, não era realmente o que esperava, não sei porque, mas gostei mais do meio. Mas também não odiei e nem amei. Apenas é legal.

    ResponderExcluir
  6. Eu não curto muito os livros do John, mas, depois de ler essa resenha fiquei curiosa para ler Cidades de Papel...

    ResponderExcluir
  7. Eu li e realmente não gostei, acho bem mobilizado

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!